quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O Quase – Luís Fernando Veríssimo (Apócrifo)


Ainda pior que a convicção do não, e a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu ainda está vivo, quem quase amou não amou.
Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.
Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor, não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distancia e frieza dos sorrisos na frouxidão dos abraços, na indiferença dos “Bom Dia” quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até para ser feliz.
A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.
Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, porém, preferir a derrota prévia à duvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.
Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.





P.S. Este texto é um apócrifo, e segundo o próprio Veríssimo a verdadeira autora é Sarah Westphal.



27 comentários:

  1. Pois é, quantas pessoas estão vivendo uma quase vida? você está? Reflita.

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus, esse texto é simplesmente PER-FEI-TO, todos deveriam refletir muito nele.

    ResponderExcluir
  3. Acabei de perceber que estou precisando viver com mais intensidade =/

    ResponderExcluir
  4. Texto realmente ótimo. Cada vez mais se consolidando como meu blog favorito - Literatura Fascinante.

    ResponderExcluir
  5. Nem preciso comentar que adorei demais o texto e adoro o blog né? ^^

    ResponderExcluir
  6. Com certeza esse é o texto mais perfeito de todos os textos perfeitos que vocês postaram até hoje, vou enviar pra vários amigos :D

    ResponderExcluir
  7. "embora quem quase morre está vivo, quem quase vive já morreu." Texto phodástico. Dá um loop infinito no cérebro.

    ResponderExcluir
  8. Adorei, realmente muito lindo, e realmente faz a gente repensar sobre a vida.

    ResponderExcluir
  9. SIMPLESMENTE LINDO, SEM PALAVRAS ♥

    ResponderExcluir
  10. Adorei, sendo de Veríssimo ou de Sarah Westphal é LINDO!

    ResponderExcluir
  11. Esse texto NÃO é do Veríssimo! E sim de uma menina chamada Sarah Westphal Batista da Silva, que escreveu enquanto ainda fazia um cursinho pré-vestibular em Florianópolis...
    Pra quem quer saber um pouco mais http://emiliopacheco.blogspot.com/2006/03/um-ano-de-presque.html
    CUIDADO com as fontes na internet!
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Nos versos há uma verdade ontológica que trás a reflexão sobre o sentido do belo, este assumindo sua amplitude nas coisas, na incertez da palavra, quase, nasce a certeza para o Mais.

    ResponderExcluir
  13. "Sou" exatamente o que está escrito aí! Um QUASE ambulante! Ao ouvir isso em uma reunião de trabalho as lágimas rolavam sem que eu quisesse, e me descobri dessa forma. Mas hoje estou mudando a minhas história! Estou abandonando o outono e chega de "Sobra covardia e falta coragem até para ser feliz". Passou da hora de ter coragem.

    ResponderExcluir
  14. Texto se encaixa perfeitamente com minha historia,por causa da covardia,perdi a pessoa pela qual sou completamente apaixonado até hoje,pelo momentos que fiquei com medo de falar com ela de chegar e contar tudo o que eu sentia por ela e o que me restou,sim o remorso,a raiva,de não ter tido a coragem que faltou para gritar e dar um oi sem ele ser sussurrado,como o texto diz,só o tempo poderá me dizer se o que realmente o que eu sinto por ela será eterno e eu ficarei o resto dos meus dias lamentando ou haverá mais uma única chance de tentar vencer a coragem que em mim habita e fazer tudo isso acontecer e valer a pena,isso só o tempo dirá.

    ResponderExcluir
  15. Este texto de Verissimo vem e consolidando cada vez mais, quando penso q está tudo pertido, q não dá mais para recomeçar... Vem "O Quase" e me transforma! Tudo depende somente de mim.

    ResponderExcluir
  16. Que feio! Deixa de ser preguiçoso e faça uma consulta da internet. Esse texto NÃO é do Veríssimo e sim de Sarah Westphal. Não use ctrl + c e ctrl v em demasia. Pois acaba passando vergonha.
    Qualquer dúvida leia o texto: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/misterio_resolvido

    Obs. ano desse texto 2005. Ano do teu texto 2011. Não precisa dizer mais nada. Vergonhoso.

    ResponderExcluir
  17. Oh Deus! Está explícito que o texto não pertence ao Veríssimo! Prestem atenção e parem de acusar à toa!

    ResponderExcluir
  18. Procurem o sentido da palavra APÓCRIFO e vejam os créditos explicativos abaixo do texto antes de pagar o mico de remungar sem motivos aff!!

    ResponderExcluir
  19. Esse texto não é do Luís Fernando Veríssimo, a verdadeira autora é Sarah Westphal Batista da Silva. Pesquisem.

    ResponderExcluir
  20. Exatamente, esse texto é da Sarah... Estudou no Colégio Energia de Florianópolis, com o professor Walter!

    ResponderExcluir
  21. ás vezes temos medo do que pode acontecer ao tertarmos,o que pode acontecer ao dizermos o que pensamos,medo do que irão pensar de nós ou até mesmo o que irão dizer,temos medo do "quase"do "talvez"medo de recomeçar.thayzynha

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...